Teoria do Big Bang Teoria do Big Bang
Home

Ondas de gravidade raramente vistas capturam ondulações na atmosfera da Terra

A atmosfera é fluida. Isso significa que está sujeita à dinâmica de fluidos, como circulação, correntes e, sim, ondas de gravidade. A atmosfera está sempre em movimento, então esses fenômenos acontecem o tempo todo; mas realmente vê-los é outra questão.

Bem, graças aos satélites meteorológicos, agora você pode admirar as ondas de gravidade atmosférica que se espalharam pela Austrália Ocidental na semana passada.

Para não ser confundido com as ondas gravitacionais, que são distúrbios na curvatura do espaço-tempo criados por aceleração maciça, as ondas de gravidade, também conhecidas como ondas de flutuação (impulsão ou empuxo), são um fenômeno físico em que as ondas são geradas em qualquer meio fluido, como ondas na praia, ou ondulações em um copo de água.

Eles também ocorrem em gases, como a nossa atmosfera, e são chamados de ondas de gravidade porque a gravidade é a força que restaura o equilíbrio.

Na atmosfera, eles geralmente são criados por obstruções ao fluxo de ar, como cordilheiras (em Vênus, isso cria enormes ondas atmosféricas) e por colisões entre massas de ar de diferentes temperaturas.

O último foi o que causou as ondas sobre a Austrália Ocidental.

"Houve uma grande tempestade na região noroeste e a perturbação nesse caso foi o ar frio caindo da tempestade e entrando no ar mais quente perto da superfície", disse o meteorologista Adam Morgan, do Australian Bureau of Meteorology.

"A diferença de densidade causa o distúrbio e, em seguida, a onda de gravidade pode viajar à medida que o ar frio se espalha. O distúrbio existirá até que tudo se reequilibre, por isso eles podem percorrer um longo caminho."

Nas imagens do satélite meteorológico japonês Himawari-8, na segunda-feira, 21 de outubro, as ondas podem ser vistas movendo-se para o exterior através das nuvens do outro lado do Oceano Índico, a noroeste da Austrália. É graças a essas nuvens e ao satélite meteorológico que podemos ver as ondas - a menos que haja algo visível através do qual as ondas possam se propagar, não podemos vê-las, e é por isso que a visão é tão rara.

Na cavidade deixada para trás das ondas, a poeira também pode ser vista se espalhando pelo Oceano Índico a partir da região desértica de Pilbara, na Austrália Ocidental, onde os ventos gerados pela tempestade provocaram uma colossal tempestade de poeira.